sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Let's hear it for a tasteful beheaded demi moore

Dizia-me o camarada do outro lado da mesa que só lhe faltava um disco dos Tindersticks, "o da mama". Reparei: mama não; o desnudo torso secreto de mulher grávida (e, logo, como obliterar a promessa reclinada na prega da pélvis?), a fazer mais pela vida sexual das fêmeas prenhas do mundo do que hordas de sexólogos de bigodes eriçados (já repararam?) a desiludir os varões seguros de que a sua metonimização métrica só pode trespassar tudo o que se lhes intrometa à frente, ou de que uma grávida seja redutível extemporaneamente a uma condição de periclitante parturiente sempre prestes a expelir (foram, aliás, todas estas as minhas palavras exactas no exacto momento).
No entanto, reducionismo por reducionismo, entre o fetiche das grávidas (cf. Patrick em Coupling - não sou eu que penso nestas coisas, se faz favor (só as fixo)), e o automatismo libido-mental ilustrado pelo meu co-assentado de truncar aquela imagem de sensualidade chiaroscura exclusivamente ao 1/4 superior que oferece a mama, parece que, para alívio e prevenção das moçoilas folgazonas hesitantes em se devotarem à curtição da maternidade, se pode avançar não só com a hipótese (em trejeito darwinista mas com o toque de reflexividade para acautelar a deriva chapada, essa sim lesiva (oh theology, schmeology), para a acefalia do sociologismo etológico) de que o macho (heterossexual?) will always find a way, mas também que o melhor mesmo é ficar fora do caminho desses twisted freaks.
Bom, considerando que isto acabou por deslizar (sou tão sugestionável) para uma imprevista (juro) evocação darwiniana (cuja casualidade combinou tão bem com a perspectivação plástica da sua causalidade), e como é bem sabido que não foi dos menores legados do velho Charles ter inspirado um excelente disco dos Banco del Mutuo Soccorso, deixo-vos com um espectro de nostalgia invocado por esta cançoneta tão batida que todos nós tanto entoámos em coro angelical nos recreios da nossa infância enquanto imprimíamos para as gerações futuras um decalque fóssil das vestigial tails dos nossos cóccixs sentando-nos na cabeça de coleguinhas caixa-d'óculos.


With a whimper

Dá para soerguer vagamente o sobrolho constatar que no acumular de semanas ou meses de fuga para a vida lá fora, como se fosse neste esconso abrigo socio-nuclear que afinal a ressonância atómica desta projecção de corpos pensantes fosse mais sensível às mínimas oscilações retóricas de existência, não venho amealhando nenhum rant para ressarcir um compromisso não escrito, pedido ou desejado, da distância que quem quer saber se lhe impôs. O que não quer dizer, infelizmente, que tenha sido tempo perdido. Será talvez, entre outras mundivisões modernas, até uma das contradições intestinas da contabilidade materialista do tempo. Ao mesmo tempo que moralizamos os minutos sem emprego pragmático como perda de tempo, a verdade contabilística é que o seu valor se inscreve numa nota metafísica de dívida. Em instância alguma o tempo se perde. Acumula-se, doseia-se, rentabiliza-se, mas é a sua promessa intrínseca de se conceder para uma finalidade, que nem seja resignado vê-lo passar, que, ao invés, pode perder alguém. Todo o tempo por empregar em desígnios nomeáveis se atarda aos pés e se enrodilha no corpo, agiganta e pede meças ao descaramento dos gestos improdutivos, articulados numa inexistência funcionalmente categorizada. Terrível projecção holográfica de actos não-tentados, esse tempo escoado irradia cada vez mais ofuscante o rosto e descarna os ossos dos seus envoltos para sopesar a falência; horas e dias, semanas e meses, a anafá-la, moldá-la à sua rotunda atracção ergonómica pelo solo, assim a verticalidade em que se projectam os seus blocos de concretitude incumprida se vai avolumando, numa rigorosa metodologia comparativa, ao lado da expansão disforme da inércia. Até decretar metodicamente que a densificação morfológica da estagnação tem um limite para a acreditação da esperança de ainda alcançar as promessas adiadas da sua sombra de possibilidades oh tão altiva e erecta, coisa cruel a promessa de um Homem.
Nope, já não há rants que façam render a durée da noite, e na sua dilatação já insensível aos ciclos intervalados da rotação, as suas luzes episódicas são mero contraste para relançar interminavelmente o breu. Há assim um momento no tempo, em que o tempo tanto se arribou, que conceber dar realmente mais um passo e re-diferenciar funcionalmente esta gosma de retracção existencial, novamente dotada de membros articulados e polegares oponíveis, implica conceder por perdidos todos os dias que nos contemplam prometidos do sorvedouro de passados que há tanto nos centrifuga num remoinho eviscerante. E assim, concede-se. Abre-se falência dos activos temporais e seus épicos em moratórias abortadas. Mas a nós, senhores, a nós quem nacionaliza?

Da orfandade


(se não se importam, agradecia que cessassem as especulações injuriosas, que assim declaro abertas, versando as minhas motivações para introduzir dispositivos fotográficos nos lavabos da Cinemateca. Haja respeito)