sábado, 12 de maio de 2007

o título ficou a vegetar no sofá

Vegetando em frente ao ecrã benzodiazepina-visual, deparo-me com publicidade da TVCabo aos seus engodos pagos em suplemento, para o caso, o "Canal Disney", e deleito-me com os requintes retóricos da publicidade.
Toda a cascata dos inúmeros atrativos do canal se verte na sedução paternalista do "tu". "Tu não sabes o que estás a perder", "vais ter horas e horas de diversão inane e moralista" (bela combinação), "vais conseguir fazer regredir a idade mental dos teus pais à civilização oral ao forçá-los a ver episódios em loop do Ursinho Pooh até, quando tiveres 14 anos, estarem no ponto de acreditar que o cheiro a tabaco no teu casaco é de um repulsivo fumador - fazer esgar de nojo - ter bafejado para cima de ti no elevador", ou algo dentro destes parâmetros... Até que, sharp as a knife, a última frase faz o câmbio para o "você" que paga a conta, e profere: «Adira já».
Assim de repente, talvez não fosse mau exemplo do persistente anacronismo do direito face à mudança social, face a estes infindos e maquiavélicos apelos ao esforço das criancinhas salivantes para massacrarem as figuras paternais a cederem ao acréscimo de despesas mensais, ainda não se terem alargado os termos de definição jurídica da exploração do trabalho infantil.

4 comentários:

Eduardo disse...

«fazer regredir a idade mental dos teus pais à civilização oral» é estranhíssimo, de sentido bastane discutível, mas soa bem. Continua.

julinho disse...

Bom, tecnicamente essa parte é devida à tvcabo, mas estou certo que lhes retira um peso da estrutura empresarial que sanciones a formulação, ainda que estritamente pela prevalência de potencialidade estética sobre a razoabilidade do enunciado. Porque, claro, estás cheio de razão. Pelo menos, pela minha parte, fosse eu o responsável pela displicência à queima-roupa, é lamentavelmente evidente que as possibilidades civilizacionais da escrita não fizeram nada por mim.

Eduardo disse...

Ai, a frase é mesmo da TV Cabo? Essa agora deixou-me completamente qualquer coisa.

julinho disse...

Oh, evidentemente, pá. Até parece que não sabes que a publicidade está na linha da frente da reconstrução e glamourização retórica das fundações e legitimações assimétricas da civilização ocidental (acho aliás que esta também vinha no contrato assinado com a tvcabo - ainda que na fine print....). Havia de ser eu, não? Por favor... eu só domino por delegação.