quarta-feira, 26 de abril de 2006

Estes filhos da revolução são uns frívolos de merda

Por causa da euforia (oui, j'exagére, malgré-moi) das comemorações do 25 de Abril (naquela piccola perversidade incauta de subsumir as datas celebratórias feitas festa e feriado nas suas vésperas) esqueci-me por completo da emissão do primeiro episódio da última série dos Sete Palmos de Terra na 2 (sim, este mono que vos escreve ainda não compra séries em DVD - viva o serviço público!).
Estarei legitimado para arguir que paguei um pequeno preço pessoal pela Revolução de Abril?



4 comentários:

Carla de Elsinore disse...

deixa lá isso. eu esqueci-me por motivos muitíssimo mais frívolos. ;-)

julinho disse...

Phiuff. Nada como a solidariedade dos penitentes (salvo seja). :-) (até me põe a fazer caras, vá-se lá ver)

Roteia disse...

Gosto dos seus posts provocatórios sobre o 25 de Abril, Julinho.
Estes filhos da revolução... não têm culpa que os pais da revolução se rodeiem de dogmatismos e saudosismos. Os valores da revolução têm sido dogmatizados e pervertidos. Com efeito esses valores não cabem nos espartilhos partidários da esquerda ou da direita, nem nos espartilhos geracionais.
Há revoluções cujo sentido tem uma função civilizacional. É este o caso da Revolução dos Cravos.
Saudações ultraperiféricas.

julinho da adelaide disse...

É uma boa leitura, Roteia. Obrigado pelas palavras.