sábado, 1 de abril de 2006

Alvo em Movimento

Em poucos dias deparei em casa com as duas maiores (gordas, corpulentas, patudas, multi-colores) aranhas que vi na vida.
Há alguma epidemia de que não esteja a par? Já pensei em guardá-las num frasco para mostrar a especialista avisado. Ou estarei numa lista aracnídea de alvos a abater ? Seria bastante desagradável. É que o problema é igualmente a reacção de defesa. Comecei de há uns tempos a esta parte a ter grande restrição no abate indiscriminado de seres vivos que não me causem dano físico (vou abrindo excepções ocasionais para melgas, dada a condição parasitária). Mas estes exemplares andam a pôr em causa a minha determinação.
Sem dúvida que isto pode ser um escancarado teste moral. É essa aliás a cruel perversidade das sendas da virtude: só a partir do momento em que nos acometemos a um princípio é que a tergiversação ao mesmo se torna matéria de angústia moral e justificação racional (que soa sempre falha à fácil evocação retórica do imperativo). O desviante ocasional consciente assume sempre sobrepujante culpabilidade face ao constante desviante estrutural irreflexivo. Ora, não só esta disposição é a-problematicamente ínvia, como para este princípio desconheço teologia (os homicidas, por exemplo, têm a orientação moral bem mais facilitada). Pelo que, auto-infligido pelo meu bom comportamento (e duvido que os gajos do karma façam estas tortuosas contabilidades), mesmo na consciência da colocação de um teste moral, é certo, como sempre, que vou falhar. The nice way, though, tanto quanto se pode aliviar a consciência: pela sanita.

2 comentários:

lilac tree disse...

Quanta ao dilema mata/deixa-as-passearem-se-pela-casa-subirem-para-a-cama-esfregarem-as-patas-na-minha-pele-enquanto-durmo, nada a dizer. Pelo menos tens opção. Eu cá não tenho grandes dilemas morais, só mesmo uma grande incompetência técnica na prática do abate. Tenho é uma informação precisosa, ainda que sem qualquer validade científica, que é a das aranhas andarem sempre aos pares. Está descansado, não deve ser uma epidemia, mas se encontrares uma terceira, o mais certo é vir uma quarta. Boa sorte.

julinho da adelaide disse...

Mas o problema é precisamente ter opção... De qualquer forma, obrigado pela imagem (brr). Se isso não resolve os meus dilemas, nada resolverá. Até porque os meus dotes refinados de assassino de animais de pequeno porte estão a ser claramente desperdiçados.