quarta-feira, 8 de março de 2006

"Self-deprecating bones"

Resulta quase enternecedor, chega a inspirar-me compaixão, o esforço inútil com que se empenham em amolgar-me as pessoas que me insultam genericamente, como se me estivessem a dar uma grande novidade.

2 comentários:

Walrus disse...

Qué pasa compañero?

julinho disse...

Pues, nada hombre. This is just (as always) real rethorical fiction. Mas obrigado (e desculpa-me) pela preocupação. Se quiseres aproveitar para me insultar e dar à coisa um travo mais real, justifica-se. Não vá isto transformar-se numa máquina de equívocos. Nesta circunscrição, para (quase) todos os efeitos, não há homem por trás da máscara.